Coluna travada, você sabe as possíveis causas?

Sentir dor na coluna em algum momento na vida é um sintoma muito comum entre as pessoas. No entanto, há alguns casos em que a dor chega de forma tão violenta que algumas pessoas acabam ficando com a coluna travada. Isto é, incapacitadas de se mover ou voltar à posição em que estavam inicialmente.

Apesar de comum, normalmente a dor nas costas está associada a alterações musculares ou a causas mecânicas postural degenerativas. Sendo que o travamento da coluna pode se dar a qualquer momento e atingir pessoas de todas as faixas etárias.

No entanto, a coluna travada é uma condição que costuma surgir na presença de uma crise intensa de dor devido a um pinçamento nervoso. Ou seja, é um mecanismo de defesa do próprio corpo que em resposta à dor aguda, imobiliza completamente a área afetada. Essa imobilização é uma espécie de aviso de que algo não está funcionando bem naquela região.

Dores lombares podem ter inúmeras causas. Mas, normalmente, as dores surgem após um grande esforço, levantamento de peso excessivo, uma postura incorreta, ou até permanecer muito tempo na mesma posição sem relaxar a musculatura. Além disso, obesidade, falta de atividade física e tabagismo também contribuem para uma coluna travada.

No entanto, essa perda momentânea de movimento é uma espécie de proteção da articulação da coluna e do sistema nervoso criada pelo próprio organismo no momento da dor. Neste caso, o próprio organismo apresenta alguns sinais, sintomas e condições prévias que devem ser observadas:

  • história prévia de cirurgia oncológica ou diagnóstico prévio de câncer;
  • perda de peso inexplicada;
  • dor que continua a piorar apesar de analgésicos simples;
  • episódio recente ou presente de infecção (febre, mal estar, etc);
  • doenças imunossupressoras;
  • primeiro episódio de dor aguda intensa após os 55 anos de idade;
  • dor noturna (que você acorda com ela no meio da noite);
  • sintomas de síndrome da cauda equina (anestesia do períneo, perda de força nos membros inferiores, incontinência urinária);
  • alteração de sensibilidade e força nos membros.

Além disso, a dor lombar ou na coluna é também comum sob as seguintes condições abaixo:

1. IDADE

Com o envelhecimento, é natural que os ossos, os discos, os ligamentos e as articulações comecem a degenerar. Com isso, a partir dos 30 anos a pessoa fica mais propensa a sofrer de dores lombares. Consequentemente, aos 40 anos a maioria das pessoas já possuem alterações degenerativas na coluna e costumam sentir dores quando os desgastes inflamam.

Da mesma forma, a cartilagem das articulações também se desgastam e quanto maior o atrito entre os ossos, mais inflamações ocorrem. Já os discos, que servem como amortecedores entre os ossos da coluna, tendem a desidratar com a idade, diminuem de tamanho e passam a absorver menos os impactos do dia a dia. Tudo isso faz com que as dores na coluna se agravem.

O perigo é quando as articulações crescem e comprimem os nervos, podendo causar dores tão agudas capazes de travar a coluna.

2. HÉRNIA DE DISCO

Outra causa frequente de dor lombar que pode culminar em uma coluna travada, é a hérnia de disco. A hérnia de disco ocorre quando a parede do disco não consegue segurar o conteúdo interno, se deslocando para fora do espaço discal, provocando a compressão de um ou mais nervos. Nesse caso, a dor irradia para pernas e virilha e é chamada de ciática ou ciatalgia (dor lombar acima das nádegas, dor lombar perto da bacia, dor lombar perto dos rins).

3. TENSÃO OU DISTENSÃO MUSCULAR

A tensão ou distensão muscular é a causa principal da maioria dos casos de dores lombares ou na coluna. Normalmente, a tensão ou distensão muscular ocorre pelo uso excessivo dos músculos e má postura.

SINTOMAS DA DOR NA COLUNA

Normalmente, essa dor na região lombar é localizada na região mais baixa da coluna e costuma se manifestar através de dores agudas e crônicas. No entanto, no caso da dor lombar aguda, ela aparece subitamente, geralmente após um esforço físico ou mau jeito, causando uma dor aguda e intensa. Normalmente, desaparece logo e não requer tratamento médico.
Já a dor lombar crônica, apesar de ser menos intensa, pode permanecer por várias semanas, podendo durar até meses e requerer tratamento médico. Sendo que os sintomas de ambas podem se apresentar das seguintes formas:

  • queimação;
  • sensação de “choque”;
  • incapacidade de ficar de pé;
  • irradiação da dor para as pernas (ciatalgia) ou membros superiores.

No caso da coluna travada, a pessoa fica literalmente com a coluna travada, sem conseguir se movimentar livremente. A dor é mais intensa e irradia para os membros superiores ou inferiores, podendo ser até incapacitante.

COMO EVITAR A COLUNA TRAVADA

Na maior parte dos casos, a causa da coluna travada é mecânica postural degenerativa. Sendo que mesmo pessoas com a coluna alinhada ou sem desvio postural podem sofrer desta condição alguma vez na vida. Pois, nesses casos, a coluna travada pode surgir devido a alterações musculares resultantes.

Como permanecer muito tempo na mesma posição sem conseguir relaxar a musculatura ou até dobrar o tronco para frente para alcançar algum objeto.

Independente da duração e intensidade do travamento da coluna, é importante fazer uma avaliação com um especialista em coluna para diagnosticar o problema e evitar novos episódios.

Como medida preventiva, deve-se focar no fortalecimento do grupo de músculos paravertebrais, principalmente os músculos abdominais e glúteos, que garantem a rigidez da coluna vertebral.

A caminhada também de 30 minutos, três vezes por semana, pode ajudar. No entanto, são necessários outros exercícios específicos, sob orientação profissional, para não sobrecarregar os discos. Como por exemplo, a Pilates.

No caso de quem já teve a coluna travada, corrigir a postura e manter essa boa postura e a musculatura firme é fundamental para garantir a estabilidade da coluna e evitar novas crises.

Após a melhora do quadro, a reabilitação motora para fortalecer os músculos com sessões de fisioterapia e evitar os fatores externos que desencadearam o problema também é extremamente importante para tratar o problema. Assim, todas essas medidas preventivas manterão a coluna saudável, os discos preservados e aliviarão a dor.

Fonte: ITC Vertebral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *