Trauma ortopédico em idosos

O Trauma ortopédico é definido pelas lesões músculoesqueléticas resultantes de acidentes que variam desde traumas de baixa energia, como acidentes domésticos, quedas simples, entorses; até traumas de alta energia, como acidentes de trânsito, queda de alturas ou mesmo resultantes de esporte de alto rendimento.

Dentre as fraturas por trauma de baixa energia, se destacam as fraturas no quadril, ombro e punho, decorrentes da osteoporose, comum entre idosos.

Em idosos

Com a idade o controle de equilíbrio se altera e leva a instabilidade na marcha. O equilíbrio e a marcha dependem de uma complexa interação entre as funções nervosas, osteomusculares, cardiovasculares e sensoriais. Além disso, estão diretamente relacionados à capacidade de adaptarem-se rapidamente às mudanças ambientais e posturais.

O aumento da parcela da população idosa, associado a uma vida mais ativa, falta de informação sobre as situações que expõem ao risco maior de quedas, como casa segura, calçados, iluminação ambiente e visão deficiente, coloca esse grupo de pessoas a um maior risco de acidentes, provocando, sobretudo, fraturas no fêmur, junto ao quadril, com uma elevada taxa de mortalidade.

Além da fratura e risco de morte, a partir de então passam a ter medo de quedas e consequente alteração psicológica aos idosos. A fratura no idoso tem como consequência a frequente perda da independência, não conseguindo mais o nível de atividade pré-fratura, declínio na saúde e o aumento do risco de internação em instituições para idosos.

Os riscos

Durante o processo de envelhecimento biológico, não apenas o osso, mas todas as estruturas componentes do aparelho locomotor são atingidas, ocorrendo alterações na estrutura óssea, nos músculos, nas articulações e nos tendões nas várias regiões do organismo. Portanto existem vários fatores de risco identificados como possíveis causadores de quedas em pacientes idosos: déficit visual e auditivo, alteração da marcha, equilíbrio, déficit cognitivo e uso de medicamentos, particularmente cardiovasculares e psicotrópicas, doenças degenerativas das articulações, fraqueza muscular, demências, etc.

Cuidados

Os aspectos sociais e cuidados com o ambiente dos idosos são fundamentais para diminuir os riscos de queda. A ideia de proporcionar um ambiente físico seguro ao idoso é extremamente importante para garantir qualidade de vida e independência funcional a essas pessoas. Outra ação importante envolve a programação de ações educativas, preventivas e promocionais na educação em saúde no sentido de reduzir o número de idosos internados por fratura, possibilita a vivência de envelhecimento ativo.

Diagnóstico

O diagnóstico é a primeira etapa no cuidado das fraturas e está baseado na história e manifestações clínicas. O exame de radiografia (raios-X) é utilizado para confirmar o diagnóstico e direcionar o tratamento. A facilidade do diagnóstico varia de acordo com a localização e gravidade da fratura, podendo ser necessário outros exames como tomografias computadorizadas e até ressonância magnética em casos de suspeita clinica e radiografias normais.

Tratamento

O tratamento da maioria das fraturas do fêmur é cirúrgico, sendo tratamento não operatório reservado somente a algumas fraturas, com diagnóstico tardio, em casos de pacientes em que o risco cirúrgico seja maior do que o benefício da cirurgia. A cirurgia visa retorno precoce às atividades pré-fratura, seja através de fixação estável da fratura, com hastes, placas ou parafusos e substituição por prótese nas fraturas desviadas do colo do fêmur.

As complicações da fratura, como trombose venosa, distúrbios cardiorrespiratórios, urinários, escaras (úlceras/lesões causadas pela pressão local).  e demência, estão relacionadas ao tempo de imobilidade do paciente, portanto é importante o tratamento e mobilização precoce.

Reabilitação

O processo de reabilitação no idoso deve ocorrer de forma sutil e gradativa. O período compreendido entre a restrição do paciente ao leito e o retorno ao movimento de marcha (caminhada) é crítico e deve ocorrer o mais breve possível. A capacidade física também é afetada, pois a atrofia muscular aumenta rapidamente e a recuperação será mais lenta, quanto mais longo for o período de imobilidade.

A mobilização precoce do idoso vítima de trauma é prioritária e constitui aspecto importante no processo de recuperação. Devem ser realizados exercícios ativos e passivos ainda no leito, os quais progridem assim que possível para atividade em cadeira de rodas e finalmente para deambulação.

Em grande parte, a reabilitação do idoso depende de sua motivação, de alterações neuro-comportamentais, inclusive de memória ou de humor pré-existentes ao trauma, bem como das dificuldades psicológicas decorrentes especificamente do acidente.

Procure sempre um especialista!

Fonte: Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *